Home >> Notícias >> Saúde alerta população para possibilidade de casos de Dengue, Chikunfunia, Febre Amarela e Zika

Saúde alerta população para possibilidade de casos de Dengue, Chikunfunia, Febre Amarela e Zika

17/11/2015

Saúde alerta população para possibilidade de casos de Dengue, Chikunfunia, Febre Amarela e Zika

Talvez nenhuma espécie de mosquito tenha conseguido tanto sucesso quanto o Aedes aegypti – aquele com o corpo coberto de listras brancas que, para azar dos humanos, é capaz de transmitir doenças como dengue, febre amarela, febre chikungunya e zika.

Além da resistência a alguns inseticidas, a espécie vem adquirindo a habilidade de se reproduzir em volumes cada vez menores de água – que nem precisa estar tão limpa quanto no passado. Os insetos, que antes só picavam durante o dia, passaram a atacar também à noite.

No ano de 2015, Itarana enfrentou um surto de dengue com mais de 130 notificações, no período de 01 de março de 2015 a 25 de abril de 2015, sendo que as notificações de dengue são realizadas durante todo o ano pelos profissionais de saúde perante casos de suspeita.

Em nosso município são muitos os focos encontrados pelos agentes de endemias municipais durante as visitas realizadas a cada 02 ou 03 meses, conforme a área protocolada pelo Ministério da Saúde. Durante as visitas foram encontrados focos do mosquito Aedes albopictus que não transmite a dengue, porém é transmissor do Chikungunia e Zika. Essa espécie também foi localizada em toda a zona rural do município, ao contrário do Aedes aegypti que só foi encontrado na área urbana.

CHIKUNGUNIA

A infecção pelo vírus chikungunya provoca mais dor e tem menor índice de mortalidade que a dengue. A identificação da doença também se dá pelo quadro clínico. A dengue se manifesta em uma semana. Passando esse período e os sintomas continuam e a suspeita passa a ser a febre chikungunya. O tratamento também é realizado por meio da hidratação intensa, com acompanhamento por hemograma e posterior sorologia

ZIKA

O mosquito transmissor do ZIKV é o Aedes sp, sobretudo o A aegypti e o A albopictus. A Secretaria de Saúde do Estado do Espírito Santo já comunicou as Vigilâncias Epidemiológicas que foram confirmados laboratorialmente os dois primeiros casos de infecção pelo vírus Zika, ambos em Vitória, sendo um no bairro Maria Ortiz e outro no bairro Jesus de Nazareth. No entanto, há inúmeros outros suspeitos dispersos tanto pela cidade de Vitória como por outros municípios que ainda aguardam confirmação e outros que não poderão ser confirmados por via laboratorial, somente por suspeita clínica, visto que a doença é de difícil diagnóstico laboratorial e, ainda, o Ministério da Saúde limitou o número de exames a 10 casos por semana por Estado da Federação

Poucos são os trabalhos publicados acerca da infecção pelo ZIKV, sendo a maioria deles descrevendo doença febril autolimitada, com grande semelhança com outras arboviroses como Dengue e Chikungunya. Embora a maioria dos casos se manifeste como formas leves, a doença tem potencial de desencadear doenças graves como a síndrome de Guillain Barré.

As principais manifestações clínicas são: febre baixa, exantema maculopapular, artralgias, mialgias, cefaleia e conjuntivite. Sinais e sintomas menos frequentes são: dor de garganta, edema, tosse, vômitos e hematospermia.

A doença na sua fase aguda se assemelha à dengue, tendo como características o exantema (manchas avermelhadas pela pele), associado a outros sintomas como febre baixa, irritação conjuntival e inchaço nas articulações. Embora estes sintomas pareçam se manifestar de forma mais branda que na dengue, a infecção pelo Zika não é menos preocupante pelas consequências que podem advir após passada a fase aguda.

Dicas para combater o mosquito e os focos de larvas

- Evite deixar água parada em locais propícios para a multiplicação dos mosquitos como: latas, copos plásticos, pneus, vasos de plantas, garrafas ou caixa d’água, por exemplo. Não deixe que a água da chuva se acumule nestes locais.

- Mantenha a caixa d’água sempre fechada com tampa adequada.

 - Remova folhas, galhos e tudo que possa impedir a água de correr pelas calhas.

 - Lave semanalmente, por dentro os com escova e sabão, os tanques utilizados para armazenar água.

 - Encha de areia até a ponta os pratinhos de vasos de flores.

 - Guarde garrafas sempre de cabeça para baixo.

 - Instalar redes de proteção nas portas e janelas da residência também pode ajudar a prevenir a presença do mosquito transmissor. 

 - As Lixeiras devem ficar sempre bem tampadas.

Colaboração: Lussandra Marquez Meneghel - Vigilância Epidemiológica de Itarana

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter